CARINHO - PARA QUE ECONOMIZAR ?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

CARINHO - PARA QUE ECONOMIZAR ?

Mensagem  TÉCNICO FERNANDO em Seg Jun 16, 2008 2:36 pm

Ouve-se e observa-se tantas pessoas dizendo ou demonstrando estarem carentes. Muitos chegam a adoecer por falta de carinho.

Por que será que isto acontece? Se o carinho entre as pessoas fosse manifestado com mais freqüência e intensidade, será que haveria tanta gente carente? Haveria tantos problemas de relacionamento?

Roberto Shinyashiki, em seu livro "A carícia essencial" (Editora Gente, 1988) afirma que "se uma criança recebe estímulos positivos, ela se sentirá bem e os outros ao seu redor também assim se sentirão". Porém, se ela não recebe as carícias de que necessita, "começará a experimentar condutas até descobrir as que os pais valorizam. Poderá passar a ficar doente, a fim de receber carícias de lástima ou ser "boazinha" eternamente ou se tornará rebelde".

Algumas pessoas economizam carícias verbais como: "eu gosto de você", "eu te amo". Justificam dizendo que "isso é babaquice" ou "o importante é demonstrar".

Claro, mas por que não demonstrar e também verbalizar (falar)?

As carícias verbais são muito potentes e necessárias em qualquer relacionamento e muitas pessoas, sem perceberem, foram treinadas desde crianças a economizar carícias verbais, com justificativas para encobrir a dificuldade pessoal de verbalizar o que sentem: "se eu ficar falando, vai perder a graça, só falo em ocasiões muito especiais"; "ele(a) vai ficar convencido(a), não posso ficar dando muita moral";"ele(a) me conhece, sabe que eu gosto dele(a), não preciso ficar falando", são falsas crenças que levam as pessoas a economizar carinho, tornando o relacionamento cada vez mais escasso.

Certa vez, uma mãe procurou-me para orienta-la sobre seu filho, que estava lhe "dando muito trabalho". Entre outras coisas, perguntei se ela se lembrava qual foi a última vez que ela abraçou seu filho carinhosamente. Após refletir um pouco, esta mãe começou a chorar, dizendo que não se lembrava de ter abraçado seu filho nem mesmo no dia do aniversário dele. Conta ela, que fez uma festa linda, mas teve dificuldade de dizer: "eu te amo, que bom que você existe", ou qualquer manifestação direta de seu afeto.

Não economize carinho: dê os carinhos que você quer aos outros e a si mesmo(a); peça os carinhos que você necessita; aceite os carinhos que você gosta e recuse os que você não gosta.

Não receber carinho, dizia Eric Berne, psiquiatra canadense, "faz secar a espinha do indivíduo".

texto de : Kátia Ricardi de Abreu
Psicóloga, Psicoterapeuta Analítica Transacional, Facilitadora e Escritora.


TÉCNICO FERNANDO

TÉCNICO FERNANDO
FINDER FORUM

Mensagens : 173
Data de inscrição : 22/11/2007
Idade : 46

Ver perfil do usuário http://www.findyourself.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum